Aconteceu comigo com Camila Pagamisse

Camila Pagamisse blogueira do Baú de Menino é nossa convidada na coluna ” Aconteceu Comigo” . Mãe do Gabriel e do Daniel ela fala um pouco sobre sua experiência com diabetes gestacional.

Camila Blog Baú de Menino

Me descobri grávida aos 22 anos e me tornei mãe aos 23. Uma gravidez não planejada, mas muito desejada e festejada. Passado o susto nos deparamos com uma correria daquelas, pois eu estudava e trabalhava e ele também.

Por mais corrido que tenha sido, e foi, minha gravidez foi tranquila e a única coisa que me incomodava era o final da gravidez, com aquele barrigão, calor de novembro, pés parecendo um pãozinho francês, ter que subir as escadarias da faculdade. Sem contar a locomoção da minha cidade, pois paraajudar estudávamos em outra cidade.

Mas correu tudo bem, e meu bebê nasceu formado em Comunicação Social, pois não é qualquer criança que cursa o último ano inteirinho da faculdade.

Passados seis anos, o meu bebê já estava um mocinho e começou a cobrar um irmãozinho. Isso mesmo, demoramos em criar coragem, e até aquele momento não cogitávamos outro filho, mas o pedido do Gabriel acendeu uma luzinha e me fez refletir se não era importante um outro filho.

Enfim, decisão tomada, agora era correr atrás de médica, exames e ver se estava tudo OK para pegar a fila na encomenda do bebê. Mas entre a consulta, a solicitação dos exames, resultados e liberação da médica passou um mês, e não é que bem nesse período a fila estava reduzida, quase não precisava pegar senha, e já estávamos grávidos!

Puxa vida, Papai do Céu agilizou o processo, tipo ou vai agora ou eles desistem!

Até então tudo certo, mas tem coisas que não dá para adivinhar, né?

E nas primeiras consultas percebi a importância de um ginecologista de confiança, atento e em quem podemos confiar.

A minha, Dra. Ana Cristina, percebeu algo diferente e sem me explicar pediu alguns exames a mais do que os solicitados no início da gestação. Era um para medir a glicose no sangue. Até então eu não sabia, mas logo iria descobrir.

Desconfiada do tamanho da minha barriga pelo tempo gestacional, ela quis antecipar o diagnóstico, refiz os exames, e ele foi confirmado.

Juro que perdi o chão, a gente nunca quer algo assim, né? Apesar de ouvir de muitos que estava exagerando, que não era tão sério, no meu entender era sim muito sérioe só eu poderia mudar essa situação.

No dia que ela me contou na consulta juro que não lembro o trajeto ao certo que fiz para voltar para casa. Só lembro-me de sair marcando consulta com endocrinologista e com uma nutricionista.

Entre choros e neuras, se já era o nervosismo em pessoa agora eu estava ao quadrado. Caramba, já dobrou e ele nem nasceu ainda… dois filhos, neura dose dupla.

Conversando com o endócrino, ele explicou que odiabetes gestacional é definido como intolerância à glicose durante a gravidez, sendo que as mudanças hormonais podem fazer o corpo ser menos sensível ao efeito da insulina.

Essas mudanças podem levar ao alto nível de açúcar no sangue e diabetes. Altos níveis de açúcar no sangue na gravidez são perigosos tanto para a mãe quanto para o bebê.

Para ajudar o organismo, a saída é procurar uma nutricionista para retirar da dieta o açúcar e carboidrato branco, pois eles geram açúcar em cargas elevadas para o organismo, devendo ser substituída por carboidrato integrais, que apesar do mesmo fator calórico e quantidades de açúcar, seu processo digestivo torna-se mais lento, o que permite menor absorção de gordura e de glicose.

Enfim, enquanto todas as grávidas conhecidas se esbaldavam nos desejos, eu enxergava o mundo através do marrom integral, e o único doce eram das frutas.

Não sei se é assim com vocês, mas comigo é assim, começou uma dieta as festas aparecem. E não ia ser diferente, né? Pois foram inúmeras festas infantis, casamentos, confraternizações… eeu só na vontade. Parece que tudo que a gente não pode dá mais vontade, né? Aff

Cheguei a sonhar com Diamante Negro… no aniversário do Gabriel eu estava doida por um cachorro quente. E no aniversário da Catarina, uma amiguinha do condomínio, eu acabei com os kibes, era o que eu podia comer…

E assim passaram os dias, entre um suco de abacaxi e outro de laranja, assim aprendi que esses não precisam adoçar mesmo. Me afogando na água de coco, e fazendo arroz, macarrão, lasanha, torta, o que imaginarem integral eu fazia.

Para ajudar, o adoçante natural que foi indicado não me fazia bem, dava cólicas, e a saída foi ficar com as frutas mesmo, nada doce fora elas.

E assim a gestação se encaminhou, e algumas curvas glicêmicas depois, o resultado da luta árdua com o açúcar deu resultado. Consegui reverter a situação, e os exames deram todos dentro da normalidade.

E o resultado foi curva glicêmica normal e uma Camila fininha que só se via a barriga (deveria ter continuado a dieta até hoje).

Enfim, no dia primeiro de abril, isso mesmo, dia da mentira, com 40 semanas gestacionais o Daniel veio ao mundo, mostrando que ultrassons podem errar no tamanho do bebê, pois era esperado por volta de 3,700 kg e nasceu com 4,560 kg. Isso mesmo com toda a dieta que fiz! E teve que ser furadinho de uma em uma hora, pois bebês com mais de 4 kg devem ser acompanhados pois correm risco de ter hipoglicemia.

Analisando tudo isso, friso a importância de um bom profissional e de sua confiança acompanhando a gestação. O ginecologista estará cuidando não só da sua saúde, mas a do bebê também.

Comentários

10 Comentários
  1. postado por
    Mari Bernardes
    jun 24, 2015

    Uau Camila !Como já te disse, outras vezes : Força, foco e fé ! Parabéns pelos filhos lindos e pela dedicação.Bjs

  2. postado por
    Giuliana Mansanares
    abr 14, 2015

    Sempre ter um GO atento e responsável, fazer um pre-natal com consciencia e responsabilidade! É isso aí, Camila! Muito mais orgulho de ter voce como minha amiga querida! <3

    • postado por
      Camila – Baú de Menino
      abr 17, 2015

      Ai Giu sua linda!!! Temos que nos cuidar sempre, né? E quando temos um ser tão importante conosco, essa responsabilidade triplica… Muito obrigada amiga querida!!! bjão

  3. postado por
    Isis Vebber
    abr 14, 2015

    Nossa Cá que loucura… mas que bom que vc teve um ótimo acompanhamento. E eu agora estou mais fã do Daniel… kkkk Ele sempre surpreende. Bjos
    Camila Falcão parabéns pelo trabalho… adorei conhecer um pouquinho mais da linda Camila Baú de Menino.
    Bjo lindas

    • postado por
      Camila – Baú de Menino
      abr 17, 2015

      Cada gestação é de um jeito, né Isis? E só sendo mãe para saber… obrigada pelo carinho de sempre amiga!
      Bjão

  4. postado por
    ascoisasdalara
    abr 14, 2015

    Ah!…. Camila….. vivi todos os 9 meses assim…. sou diabética! Pra começar, foi difícil achar um médico que quisesse me acompanhar…. risco, quem quer assumir? E, depois, veio a minha parte…. comer tudo controlado, fazer mil exames, mesmo assim…. aproveitei cada segundo. Adorei seu texto, sua coragem e sua lição de vida, ajudará várias mamães! bjus

    • postado por
      Camila – Baú de Menino
      abr 17, 2015

      Ah Dea, não é fácil, né amiga? Eu imagino como deve ter sido a gestação da Larinha! Mas o melhor presente, que fez tudo valer a pena está aí, linda e saudável!!!
      Acho que compartilhar um pouco de nossa experiência pode ajudar quem está vivendo a mesma situação…
      Bjão amiga!

    • postado por
      Camila – Baú de Menino
      abr 17, 2015

      Ah Dea, eu imagino como dever ter sido a gestação da Larinha! Mas Graças a Deus e seus esforços, o seu melhor presente está aí, linda e saudável!
      Compartilhar nossas experiências pode amenizar um pouco o que outras mulheres possam estar passando…
      Bjão amiga!

  5. postado por
    lilian
    abr 13, 2015

    Nossa Camila!! Que luta hein!! E o pior que é assim mesmo!! Quando não pode é que da mais vontade!! E o Daniel nasceu fortão!!! Uau!!!

    • postado por
      Camila – Baú de Menino
      abr 17, 2015

      Pois é Li, mas ainda bem que passou… se cuidando dá tudo certo!!!
      Graças a Deus!
      Bjão!

Siga nosso Instagram e aproveite cada detalhe!

Join to Instagram